terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Clientes Lendários: Seu Amoroso, o Gago Paquerador

A empresa Mato Verde criou o projeto Funcionário-Colaborador para premiar seus empregados – ativos e aposentados – pela adoção de práticas que economizam recursos naturais do planeta. E então surgiu Seu Amoroso, o Gago Paquerador, que passou a acionar o SAC da empresa diariamente para se informar sobre a campanha. Mesmo depois de conhecer o projeto melhor que seus idealizadores, ele continua telefonando, sempre aproveitando os contatos para paquerar as atendentes.

Heterossexual cabra-macho, Seu Amoroso se recusa a falar com homens. Ao ser atendido por uma voz masculina, ele desliga sem ao menos cumprimentar o operador de telemarketing, mas vozes femininas despertam seu interesse. Todas as mulheres daquela central de atendimento já falaram com Seu Amoroso e já recusaram seus convites para encontros e suas propostas de namoro, noivado e casamento – apesar de ser gago, ele consegue fazer tudo isso durante o atendimento. Mas o homem insiste no poder de sua lábia:

- Mato Verde, boa tarde. Meu nome é Pietra. Com quem eu falo?
- O-o-oi, oi, alô! A-a-a-qui aqui é o Seu Amor... Amo-mo... Amoroso! É Seu Amoroso! Mama...mamaaaa... mas po-pode me-me chamar de Amor.
[Tradução: Oi, alô! Aqui é o Seu Amor, Amoroso! É Seu Amoroso, mas pode me chamar de Amor.]
- Pois não, Sr. Amoroso, em que posso ajudar?
- Que-quero... que-quero saber o que é a ca-ca-campa-campanha Fufu... fuuuu... fufuncionário... Coco... Cococolaborador...
[Tradução: Quero saber o que é a campanha Funcionário-Colaborador.]
- Pois não, Sr. Amoroso. É uma campanha da empresa apenas para funcionários que premia colaboradores ativos e aposentados por economizarem recursos naturais.
- Então e-e-e-e-eu não popopopo-posso paaaaaarticipar... Mama... mama... Mas coco... coco... como é seu nome?
[Tradução: Então eu não posso participar. Mas como é o seu nome?]
- Meu nome é Pietra.
- Vovo... vo... vooooo... cê sabe que esse nonoome tem fun... fun... damento, não sasabe?
[Tradução: Você sabe que esse nome tem fundamento, não sabe?]
- Não, Sr. Posso ajudar em algo mais?
- Popoooode. É só sasa... sasair... sair coco... comigo... sair comigo
[Tradução: Pode. É só sair comigo]

Tomando fôlego, ele consegue soltar a fala inteira, de uma vez só, dando sua cartada final de sedução:

– Pietra significa pedra, que é forte, e meu nome é Amoroso, de Amor. O fundamento é que seu amor comigo será forte feito uma rocha... – e voltando a gaguejar, ele prossegue – Mama... mama... Mais... Mais um minuto de sua atenção, por favor...

Ao ouvir tamanha baboseira, a operadora informa que encerrará o atendimento por falta de decoro. Seu Amoroso fica nervoso com o fim da paquera e volta a gaguejar, mas tenta prosseguir:

– Mama-mama... mama... Mais... Mais um minuto de sua atenção, por favor...
[Tradução: Mais um minuto de sua atenção, por favor.]

Sem dar importância ao apelo do Gago Paquerador, a moça encerra o atendimento e ele se vê obrigado a partir para próxima vítima. Seja qual for o nome da atendente da vez, ele usará esse dado para criar uma justificativa místico-filosófica que faça a moça cair em seus braços. O homem deve ter um livro de significado dos nomes ao lado do telefone para consultas rápidas, ou talvez tenha memorizado uma publicação inteira do gênero.

Além de ser habilidoso com nomes, Seu Amoroso esbanja um incontestável domínio estratégico da gagueira. Gaguejando sua identificação ao início do atendimento, ele afirma que não é um homem qualquer – ele é Seu Amor, ou seja, o amor da vida da atendente. E pronunciando “mama” ao tentar dizer “mas” ou “mais, parece que ele passa uma mensagem subliminar de sexo oral. Já o som “coco” que precede a palavra “como” deve ser uma tática para aguçar a libido caso a atendente se interesse por escatologia.

Desde que Seu Amoroso começou a acionar o call center da Mato Verde, as operadoras de telemarketing da empresa passaram a ter pesadelos com suas propostas indecorosas. Quando o nível de estresse das atendentes chegou ao limite do intolerável, um grupo de analistas resolveu estudar o caso para chegar ao âmago da motivação do paquerador e, partir daí, encontrar uma solução para seu problema, livrando o call center de seus telefonemas. O estudo deu origem a três vertentes teóricas.

A primeira vertente defende o óbvio: Seu Amoroso é um senhor solitário em busca de companhia e deve ter fetiche por operadoras de telemarketing. Para a segunda vertente, ele é irmão do Seu Juca do TUP e os dois são rivais na disputa do prêmio de “Maior Assolador de Call Center”. Já a terceira vertente afirma que o interesse de Seu Amoroso pela campanha Funcionário-Colaborador revela que ele é frustrado por não trabalhar na Mato Verde. Segundo essa tese, a paquera pode ser um disfarce para a frustração ou uma tática para seduzir alguma funcionária que, por amor, o indicará a uma vaga de emprego na empresa dos seus sonhos.

Mesmo com todo o empenho dos analistas, o caso ainda não foi solucionado e o paquerador continua perturbando as atendentes da Mato Verde com sua arte da sedução. Quando o dia está perfeito, ele entra em ação e estraga tudo para as moças. Quando o dia está ruim, ele surge e deixa tudo pior. Mas, seja qual for o âmago da questão, o fato é que Seu Amoroso, o Gago Paquerador, é cliente lendário que estraga qualquer clima de romance para quem trabalha em centrais de atendimento.


Observação:

Todo call center tem histórias de clientes que acionam o serviço com alta freqüência, sempre pelos mesmos motivos e usando as mesmas argumentações. Os contatos são feitos várias vezes por mês, por semana ou por dia, mesmo que os motivos estejam resolvidos ou nunca tenham existido. Chamados de contumazes, dependentes, especiais ou invariáveis, entre outras nomenclaturas, estes clientes se tornam lendários nas operações de telemarketing.

A série de textos Clientes Lendários apresenta histórias baseadas em casos reais desse tipo de cliente. Para preservar a identidade dos clientes, das empresas e de seus colaboradores, todos os nomes e cenários adotados nas histórias são fictícios.



Nenhum comentário:

Postar um comentário