sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Redes sociais e problemas reais

A pessoa atualiza os perfis de Facebook, Tweeter, Orkut e LinkedIn, conversa com alguém através de MSN, Skype ou algo similar, lê e responde e-mails, atualiza novamente as redes sociais, copia e cola algo em um blog e finalmente tem a sensação de dever cumprido. Metade do dia já se foi, mas estar nas mídias sociais é coisa séria e requer dedicação. É como ter um emprego não remunerado. Faz parte do “networking” e quem não tem “networking nas redes e mídias sociais” participa cada vez menos do processo evolutivo.

Certamente a pessoa usou a outra metade do dia para estudar, trabalhar, desenvolver a mente, produzir coisas úteis e conviver com gente querida. E toda essa parafernalha virtual deve ser fruto ou extensão do “networking real”, aquele que efetivamente traz resultados por fazer a pessoa ser conhecida em seu universo real como alguém capaz, seja lá do que for. Se as coisas não são bem assim, deve ter algo errado nessa idéia de “networking virtual”.

Os “troços virtuais” não são solos propícios ao cultivo de alimentos e não dão resultados concretos de engenharia civil, mecânica, medicina, biologia, aeronáutica, ensino. Tudo isso se faz em laboratórios, em trabalho de campo, colocando a mão na massa. Por mais “conectada” que a pessoa esteja, o mundo continua sendo um lugar onde pessoas fazem coisas e não um lugar onde as coisas fazem pessoas. Talvez eu seja antiquado, mas não quero pensar de outro modo. Contudo, isso acarreta sérios problemas.

O primeiro deles é a dificuldade que tenho para entender certas atitudes, como a da família que sai para jantar e passa o tempo todo “tweetando” em seus celulares. Eles não interagem entre si, mas, entre uma garfada e outra, falam com um bando de gente que nem está perto. E antes que terminem de comer, as redes sociais estão devidamente atualizadas informando que eles saíram para jantar naquela data.

O segundo problema é que pessoas assim também acionam call centers e ameaçam publicar suas insatisfações no “Facebook” caso seus desejos não sejam prontamente atendidos. Considero isto um problema por não conseguir atinar se a pessoa realmente leva a própria ameaça a sério ou está apenas “de sacanagem” com o atendente, porque rede ou mídia não resolve o problema de ninguém.

Já o terceiro problema é mais grave: algumas pessoas vidradas no “online social network” também tem emprego – inclusive em call center – e confundem o tempo do trabalho com o tempo da “tweetada”, gerando erros, retrabalho, irritação, queda de produtividade, indicadores ruins. E geralmente os “conectados” não conseguem entender que a incapacidade de separar as coisas prejudica todo mundo – o cliente, o colega de trabalho, a equipe, a operação, a empresa.

Se você trabalha em call center e vive pendurado em algum “troço virtual”, dê suas “tweetadas” fora do expediente. E se você é cliente de call center, não pense que Mark Zuckerberg criou algo tão poderoso a ponto de determinar a resolução dos seus problemas. Publicar seu manifesto no Facebook pode, no máximo, gerar algumas páginas virtuais de textos que não terão qualquer efeito sobre o caso. Portanto, use recursos mais eficazes como ouvidoria, Procon, delegacia de polícia, justiça.


Dica do Operador:

Quanto mais observo estes parágrafos, melhor percebo alguns fatos do meu passado. Andei de bicicleta e de skate, surfei, mergulhei, pratiquei artes marciais, ganhei e perdi amigos e amores. Enfrentei problemas sérios, estudei, consegui emprego, fui demitido, arrumei outro emprego, pedi demissão, escolhi trabalhar em outro lugar. E sempre fiz – e ainda faço – tudo isso sem depender de redes, mídias ou plugins sociais.

Devo ser pré-histórico ou muito esquisito, mas consigo me enquadrar em tudo que preciso ou quero sem estar conectado a tantas coisas online. Por isso vou usar minha folga para surfar, beber um belo Sex On The Beach e namorar até perder o fôlego. E quando voltar para casa, vou aproveitar o tempo na companhia de pessoas importantes na minha vida ao som do bom e velho Pink Floyd.



2 comentários:

  1. Olá Operador, como vai?

    Gostei muito do texto pois aborda de forma realista e interessante o mau uso que muitos andam fazendo das ferramentas virtuais e tecnológicas. Realmente é muito triste ver famílias ou amigos que saem para um passeio, por exemplo e só prestam atenção àquilo que podem postar, e sequer conversam com os que estão ao seu lado... Vejo pessoas que estão em alguma viagem e não param de postar 1 segundo... outro dia saí com uma amiga que passou a noite toda verificando o facebook e postando fotos da mesa, etc... mal conversamos... E isso se agrava mais ainda como mencionou, no ambiente de trabalho. Por um lado o abuso dos funcionários que se desconcentram das funções para usar as redes e por outros as pessoas acreditando que a internet é a salvação de todos os seus problemas e que possuem super poderes por ter um perfil...
    Eu sou ativa nas redes e tenho meu blog, trabalho com atendimento virtual mas quando percebi que estava ficando demais on line, parei com isso e agora equilibro tudo como academia, cuidar da casa, família, viagens etc sem embaralhar as coisas, quando estou na net, curto aquilo ali, quando vou passear, nada de net, curto as vivências off line como devem ser, creio que podemos achar um equilíbrio usando de bom senso e responsabilidade :) assim aproveitamos o que o meio virtual pode nos oferecer sem deixar de lado nossa vida :)

    Grande abraço e bom fim de semana :)

    ResponderExcluir
  2. Olá, Samanta!
    Muito obrigado pelo comentário, gostei muito de ler você aqui! :)

    É importante saber usar e separar as coisas, como você bem disse. Logo após ler seu comentário, me deparei no diHITT com uma notícia sobre O Grande Buraco Azul, no Caribe. Engraçado como os momentos se sucederam - logo quando eu pensava em responder que a Internet é mesmo formidável, mas só existe porque há vida e a vida é muito mais formidável do que a Internet. Tomando suas palavras emprestadas, com bom senso e responsabilidade tudo pode se conjugar de forma tão rica, quase ilimitada.

    Tenha uma ótima semana!

    ResponderExcluir